• Maris Machado

MALDIVAS | A viagem dos sonhos

Sabe aquela paisagem composta de um mar azul turquesa, areias branquinhas e coqueiros numa ilha pitoresca? Ao leste do continente africano e ao sudeste da Índia, no Oceano Índico, um arquipélago composto por 26 atóis de corais com aproximadamente 1200 ilhas é o endereço deste cenário sublime que, por muitos, é considerado o paraíso e recebe o nome de Maldivas. Um dos locais mais peculiares (e desejados!) do mundo, com uma exuberante biodiversidade marinha é cheio de encantos e belezas naturais. Tudo isso, somado ao charme e sofisticação oferecidos por serviços de alto padrão dos diversos hotéis, resorts de luxo e alto luxo espalhados pelos atóis coralinos, torna impossível não ficar em estado de puro fascínio pelo lugar. O país é considerado um dos destinos mais caros do mundo e é um dos preferidos pelos amantes da alta gastronomia, pelos que gostam da prática de mergulho, por aqueles que desejam privacidade, momentos reunidos em família ou para aqueles que celebram seus dias em grande estilo, como casais em lua de mel ou renovação de votos.


O QUE COMER E ONDE FICAR Nas Maldivas existe um resort para cada propósito de viagem. O planejamento cuidadoso é fundamental para que todos os detalhes sejam contemplados. As opções de atividades, passeios e até mesmo onde se alimentar vão estar atreladas a hospedagem que escolher. Geralmente, cada resort ocupa uma ilha inteira. É imprescindível se atentar a essa questão. Se um dos seus objetivos é mergulhar acompanhado de arraias, tubarões e uma variedade peixinhos tropicais, Maaya Thila, no Atol Ari do Norte está entre os melhores pontos de mergulho das Maldivas. Nas proximidades, o extraordinário Constance Halaveli Maldives, um resort 5 estrelas, com diárias a partir de 6 mil reais, oferece uma variedade de acomodações para casais ou para famílias de até 4 pessoas. Seja em bangalôs suspensos com vista para as lagoas de 100m² ou vilas de até 400m² com praias particulares e claro, com todas as regalias possíveis. O Jing Restaurant, com vista para o mar e um design tropical chic aposta na combinação entre as cozinhas da Ásia e Europa e faz parte das instalações do resort. Vale a pena reservar para uma das refeições no local. Agora, se você quer viver uma experiência única, no Conrad Maldives Rangali Island Resort & Spa você pode até mesmo dormir em um quarto submerso com teto de vidro. Sua reabertura está programada para 28 de setembro seguindo todas as normas sanitárias. A hora do jantar também dá uma sensação muito especial, pois um dos restaurantes, o Ithaa Undersea Restaurant é como um submarino, onde você aprecia a presença incrível de vida marinha enquanto desfruta da sua refeição. Sua especialidade são os Frutos do Mar, entretanto, oferece opções vegetarianas e sem glúten também. Um restaurante de alto nível e muito bem avaliado. Descansar em uma rede, relaxar em uma piscina privativa, spa, praticar stand up paddle, snorkel, pesca, passeios numa ilha habitada ou até mesmo deserta, são as várias opções de entretenimento e para todos os gostos. Se você tem muita vontade de conhecer Maldivas, mas não tem como se hospedar em um desses super resorts de luxo, duas ótimas opções são o Mercure Maldives Kooddo Resort e o Meeru Island Resort & Spa. Ambos com estrutura completa para curtir com um investimento um pouco menor. A grande realidade é que escolher onde ficar dá um trabalhinho, porque tem muitas opções. Por isso, é bem importante adequar a busca ao seu perfil de viagem e bolso. Avaliar se o seu desejo é ficar em um bangalô daqueles com escadinha para o mar e piscina privativa de borda infinita ou se para você basta estar em Maldivas independentemente do tipo de quarto que vai se hospedar. Se você quer algo mais exclusivo e tranquilo precisa avaliar qual o tamanho do hotel e qual o perfil dos hóspedes, talvez você esteja em busca de um hotel com diversão e atividades para crianças e o hotel seja mais intimista e voltado para casais em lua de mel por exemplo. Outro ponto a avaliar é a estrutura oferecida, se tem piscina, academia, se oferece passeios de barco ou qualquer outra coisa que seja essencial para sua viagem. Enfim, o investimento é alto e vale a pena pensar em tudo antes de chegar lá. COMO CHEGAR Para chegar nesse paraíso na terra, no caso a capital Malé, como não há voos direto do Brasil para as Maldivas, você pode optar por uma das diversas conexões a partir do Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. As que possuem melhores conexões e tempos de voos são: Dubai, com a cia aérea Emirates, Doha com a Qatar Airways e Istambul com a Turkish Airlines. Dependente de quanto tempo você tem para viajar e qual o valor que tem disponível para investir, você pode até fazer uma parada de alguns dias em um desses pontos de conexão. Em média, são cerca de 25h de voos até o Aeroporto Internacional Malé. De Malé até a sua hospedagem, geralmente o próprio hotel providencia seu transfer com valores já inclusos no pacote. As modalidades alternam diante da localidade da acomodação. Por exemplo, os resorts próximos ao aeroporto, vão de barco rápido ou dhoni, como são chamadas as embarcações típicas da região. Os resorts mais distantes, os hóspedes são transportados de hidroavião, o que lhes permite uma vista aérea espetacular dos atóis vistos de cima. Impressionante e inesquecível. QUANDO IR A melhor época para viajar, por conta do clima tropical e úmido, é de novembro a abril quando a probabilidade de chuva é bem baixa, mas leve em consideração que na alta temporada, entre dezembro e fevereiro os preços podem ficar um pouco mais altos se não houver nenhuma promoção vigente. O clima é bastante ensolarado o ano todo e você tem chance de ter o tempo estável em qualquer época do ano. As chances de chuva ficam entre final de abril e outubro. DICAS Não é necessário tirar visto, nem apresentar teste negativo para covid-19, basta apresentar passaporte com pelo menos 6 meses de validade a contar da data de seu retorno, comprovantes de hospedagem e passar por uma triagem para medir suas temperaturas. Feito isso você receberá um visto de turista por 30 dias. Só será solicitado teste ou quarentena se houver sinais de Covid. A moeda no país é a Rúpia Maldívia e o idioma oficial é o Divehi, entretanto, todos os resorts e hotéis realizam suas transições com dólares americanos ou cartão de crédito e falam inglês. É necessário apresentar a carteira de vacinação internacional contra febre amarela, que deve ser tomada com pelo menos 10 dias de antecedência à data de sua partida. A religião nas Maldivas é o Islamismo e, apesar de dentro dos resorts você não sentir nenhuma diferença e não precise seguir nenhuma regra específica, eles são bem conservadores quanto a vestimenta e em alguns lugares a bebida alcóolica não é permitida. Que tal conhecer esse local cheio dos prazeres e que já está inserido em nossos imaginários como a viagem dos sonhos?




Quer receber mais conteúdos? Assine!

arrow&v